One more day off my life

3 Jan

… E enfim acabava uma história da qual saí magoada, como sempre. Prometi à mim mesma não me envolver demais com as pessoas, especialmente as de longe, e foi exatamente o que eu não consegui cumprir.

Certa vez ouvi falar que o ser humano só cura mesmo a dor de uma paixão que deu errado encontrando outra. Não gosto de generalizar por isso vou apenas colocar como sendo uma boa definição sobre mim. Talvez. Infelizmente.

(Também odeio meus parágrafos curtos, mas que seja, não me importo se alguém se importar com isso.)

Há meio que um padrão nas minhas histórias. Um começo bonito, um meio relutante e com falsas esperanças, no final eu saindo triste, e continuando assim até aparecer outra pessoa pra que tudo se repita. Geralmente esse tempo entre estar esquecendo e encontrar alguém legal é ótimo. Consigo ficar bem, me distrair até com coisas não tão interessantes, reforçar laços de amizade, etc.

Mas eu quero mesmo é desabafar sobre o que anda me fazendo mal nos últimos dias (meses, se for dramaticamente exata). Acho que estou numa fase entre o meio relutante e o final não-feliz.

Me sinto cansada. Muito cansada. De sentir tanto por quem eu sei que não vai retribuir isto. Penso em todo o tempo que passei (e ainda passo) imaginando como seria minha vida mais perto dessa pessoa. Como tudo seria se ele gostasse de mim do mesmo jeito que eu dele. Em quais sensações maravilhosas eu experimentaria sabendo que ele por alguns momentos ao menos pensa em mim e que gostaria de me abraçar, conversar sobre toda e qualquer coisa, desde assuntos polêmicos e importantes até as mais variadas besteiras, de ouvir música juntos, olhar nos olhos um do outro por algum tempo e depois rir, tudo isso entre muitas outras situações, tanto quanto eu a ele. Poderia escrever muito sobre o que já imaginei acontecendo, mas acabo desanimando quando lembro que tudo nunca vai passar de meras expectativas.

Receio de contar o que eu sinto pela reação esperada não ser a que eu realmente queria…

É triste imaginar outra pessoa compartilhando um beijo com o qual você sonha já há algum tempo. Tocando as mãos que você gostaria de sentir passeando pela sua pele. Olhando nos olhos que te trariam mais conforto, e que a cada dia parecem mais distantes e inalcansáveis. Vê-lo brincar, flertar com outras meninas, mesmo sabendo que de brincadeira, e lembrar que um dia já foi assim comigo. Que já se preocupou, lembrou de mim antes de dormir, ao acordar ou em algum momento aleatório do dia… Será que se eu tivesse feito algo de outra maneira as coisas teriam dado certo? Jamais saberei.

Dói ter que aceitar os fatos, deixar a pessoa em quem você mais encontrou coisas em comum ir. Não que estivesse prezo à mim de alguma forma, mas deixá-lo ir embora da minha vida. Quem vai sentir falta sou eu, obviamente.

Sei que ele não gosta de mim, isso já foi deixado claro. Mas é difícil esquecer quando não se consegue manter distância. Curar, quando o que se quer mesmo é mais do veneno. Saber que é feliz com a companhia de alguém que não eu, machuca. Principalmente por ter a certeza de que é impossível outra pessoa sentir tanto.

Não entendo como a vida pode ser tão complicada às vezes. A única pessoa que eu quero é ele, e ironicamente, isso é impossível. Fico triste por não ser correspondida, e talvez essa minha tristeza incompreendida o afaste ainda mais.

Distração nenhuma faz com que ele saia dos meus pensamentos.

No fundo mesmo, a última coisa que eu gostaria era ter de esquecê-lo. Sempre as falsas esperanças mentem dizendo que em algum momento o jogo pode virar, e ele começar a sentir algo de verdade por mim. Ainda acredito nisso por fraqueza, inocência, estupidez, ou sei lá. Também não sei por quanto tempo ainda vou conseguir aguentar sofrendo assim, então que tudo se resolva naturalmente e logo. Só espero que alguma luz apareça no tunel, apontando para qualquer saída que seja. Porque por enquanto não enxergo nada além de você,                               . ):

A fábula do porco-espinho

2 Nov


Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio.
Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais calor.
Por isso decidiram se afastar uns dos outros e começaram de novo a morrer congelados.
Então precisaram fazer uma escolha: ou desapareciam da Terra ou aceitavam os espinhos dos companheiros.
Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos.
Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que a relação muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro.
E assim sobreviveram.

Moral da História
O melhor relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, mas aquele onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro, e admirar suas qualidades.

(autor desconhecido)

Como deve ser bom ter alguém…

21 Aug

Que te faça sentir especial de várias formas;

Que te diga coisas bonitas sempre;

Que se importe com o que você faz, pensa, vê, sente, deseja, é;

Que você tenha certeza de que vai sentir sua falta, mesmo depois de 5 minutos ausente;

Que te faça perguntas doces, ou nem tanto;

Que nunca queira te deixar por um instante;

Que não te machuque nem deixe ninguém machucar;

Que esteja perto, mesmo de longe;

Que saiba como fazer seu humor melhorar;

Que entenda a hora exata pra tudo;

Que não te esqueça depois de conhecer alguém legal;

Que te faça sorrir ao invés de derramar lágrimas;

Que não deixe algo bonito acabar sem sentido algum;

Que não te troque por outra pessoa em nenhuma circunstância;

E que você tenha certeza de estar sempre pensando em ti.

 

Deve ser lindo escolher alguém que também te escolheu;

Deve ser muito bom poder ter tudo isso, ou seja, não ser eu.

Quando você ama uma banda.

11 Jul


Música. Deixa de ser apenas um conjunto de sons combinados para se tornar um segmento na vida de tantas pessoas ao redor do mundo. Pessoas como eu.

São inúmeras as vertentes musicais. Os estilos. São cantores, grupos, orquestras, bandas, enfim…

Com o passar do tempo amadurecemos nossas preferências, deixando para trás a maior parte das possibilidades de escolha e nos envolvendo com apenas algumas delas.

É aí que entra em cena nosso sentimento. A capacidade que cada um tem de se doar, se sacrificar e amar a música com tudo que a envolve.

Hoje, assistindo um show da minha banda favorita, prestei bastante atenção nas reações que as vozes, os instrumentos, as letras e ritmos me causavam. Percebi que cada acorde tem um significado pra mim. Que antes de qualquer nota soar, eu já sabia qual seria a próxima música tocada. E constatei, mais uma vez, que amo isso. Tudo que eles fazem, quem são, foram e se tornaram.

Toda nova música mexe de um jeito diferente, porém sempre profundo comigo. É como se mesmo sem tomar decisão nenhuma quanto ao trabalho deles, eu interferisse, de maneira realmente importante em cada detalhe. Como se tudo fosse, de alguma forma, fortemente ligado à mim.

Não tenho receio em admitir que choro, sorrio, me arrepio, danço, grito, VIVO a música deles. E fico muito orgulhosa em saber que sou apenas mais uma sentindo tudo isso.

São eles quem me fazem sentir alguém melhor, feliz. Me fazem sentir também que tenho algo em comum com outras pessoas, e por isso não estou sozinha. Aprendi a demonstrar ou ocultar sentimentos com eles. Controlar meus demônios e ver que todo labirinto tem uma saída, mesmo que esta esteja bem escondida.

Sou alguém que encontrou o lado bom da música. O lado que vale a pena e consegue me manter sempre envolvida.

Sou alguém que aprendeu a admirar, respeitar, acompanhar, viver, AMAR essa banda chamada My Chemical Romance.

Pessoas que não valem a pena.

9 Jul

Existem basicamente, três tipos de ser humano que me causam náusea. São eles: fundamentalistas (acreditam que a única verdade é a sua, não aceitando nada que outra pessoa fale diferente do que acredita. É o princípio da destruição humana, pois quando deixamos de nos relacionar com uma pessoa que pensa diferente é motivo para a guerra e destruição. Isso já ocorreu várias vezes no mundo e nós nunca aprendemos); hipócritas (desleais, falsos, fingidos, que abrem mão dos seus ideias apenas por interesse) e preconceituosos. E é incrível como podemos encontrar pessoas com todos esses adjetivos reunidos.

Não entendo como ainda pode haver gente tão ignorante, a ponto de pensar que não precisa de ninguém. Que é auto-suficiente. O que é um dos maiores equívocos do qual muita gente sofre.

Mesmo que você seja muito independente, tome suas próprias decisões, tenha uma vida livre de outras pessoas dando opinião, more sozinho etc… Você DEPENDE SIM DE MUITA GENTE!

E se não fosse o motorista do ônibus, ou o mecânico, ou o médico? E se não fossem os pedreiros que construíram a casa onde você mora? Ah, construiu ela sozinho? E também fabricou os tijolos? Acho que já deu pra entender né?!

Pior ainda são as pessoas que têm preconceitos. Ou fazem pré-julgamento de alguém única e exclusivamente pela aparência.

Se você faz parte desse seleto grupo de completos idiotas, pensa comigo: digamos que um dia se envolva em um acidente (admita, não é algo incomum de acontecer), e precisa da doação de algum órgam vital para sobreviver, e o único doador compatível num raio de infinitos quilômetros for uma pessoa negra, ou loira, ou gorda, ou se for um roqueiro ou um nerd? Será que ainda assim vai ter tempo pra gastar com preconceito? Acredito que não. E aí entra a hipocrisia. Quando você realmente precisar de alguém que despresava, vai engolir o orgulho e fazer papel de idiota (duas vezes).

E quando alguém não aceita seus erros, não admite que outra pessoa esteja com a razão mesmo sabendo que no fundo deveria dar o braço a torcer? Há algum orgulho em ter essa necessidade de atenção e de aceitação boba, imatura e egoísta? Já parou pra pensar em quantas decisões tomadas em conjunto, sem ninguém levando a culpa ou ficando com o troféu sozinho foram boas o suficiente pra agradar todas as partes envolvidas?

De que vale passar a vida sem ninguém, apenas afrontando os demais pra ter seu “orgulho intacto”? Não seria melhor usar o pouco da humildade que ainda pode haver dentro de uma mente tão perturbada, e dar uma chance à si mesmo de ser alguém melhor? Alguém ao menos suportável? Basta parar pra refletir e pesar os benefícios que cada atitude sua trás de volta.

Mas se você insiste que está sempre do lado correto da história, teóricamente não precisa de ninguém certo? Se não precisa de ninguém, tem preconceito contra todas as pessoas ao seu redor, lógicamente. Sendo assim, é hipócrita por pensar desse jeito apenas até precisar de verdade de alguém. E aí se torna o tipo perfeito de ser humano que me dá nojo.

Sendo assim… Parabéns, você é alguém que não vale a pena.

AMG.

%d bloggers like this: